sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Israel, o muro da vergonha - por Ellen Cantarow, Tom Dispatch (link site do Azenha)

Ouve-se muito sobre a violência no conflito Israel-Palestina, mas raramente se ouve contar a história da determinada e longa resistência não-violenta, presente e muito importante, de muitas vilas palestinas, contra o roubo de suas terras. O que aqui escrevo é meu depoimento sobre o que vi numa dessas vilas na Cisjordânia.

Nunca, desde que começou a ocupação da Cisjordânia por Israel em 1967, o roubo de terras palestinas e o impedimento do acesso às fontes de água pareceram mais chocantes do que depois de terras e água passarem a serem usados exclusivamente para construir “o muro” – construção iniciada em 2002. Enorme, complexo, de várias caras e formatos, o muro é construção dramática, de quase oito metros de altura, com torres de vigilância ocupadas por soldados, com cercas eletrificadas instaladas na parte superior, e que se estende por enormes distâncias.

Em 2004, a Corte Internacional de Justiça (ICJ) declarou “ilegal” o muro; Israel ignorou completamente a sentença. Hoje, o muro ondula por mais de 280 km na Cisjordânia, envolvendo todas as principais colônias e várias colônias menores, todas exclusivas para judeus (e que são colônias, não são ‘assentamentos’). Quando estiver todo construído, o muro terá cercado 85% da população de colonos judeus da Cisjordânia – processo de anexação de facto de fatias significativas de território ocupado pela primeira vez em 1967. Aí está o sonho da “Grande Israel” sionista, rapidamente convertido em arquitetura e pedra. Do ponto de vista dos palestinos, o muro é como um monumento ao roubo de terras e água.

Jayyous, com população de 3.500 habitantes, é uma das vilas palestinas cujo acesso à água é impedido pelo muro israelense, inserida no nordeste montanhoso da Cisjordânia, com a cidade palestina de Qalqilya a oeste. O cenário é dos mais belos do Mediterrâneo, espécie de mistura, digamos, da Toscana e de partes da Iugoslávia, com inúmeros sítios arqueológicos e ruínas romanas. E é uma das regiões mais férteis da Cisjordânia. Ali sempre cresceram nogueiras, laranjeiras, limoeiros e oliveiras, além de hortaliças – sempre em torno de Jayyous e suas muitas fontes de água subterrânea e poços. Os aqüíferos da região de Jayyous e Qalqilya, de fato, são um dos principais tesouros da Cisjordânia. As terras que pertencem à vila de Jayyous e à cidade de Qalqilya são lindeiras da fronteira israelense de antes de 1967, a chamada “Linha Verde ?.

Antes de haver o muro, os mercadores de Qalqilya mantinham comércio regular com os israelenses dos dois lados da fronteira; e os agricultores de Jayyous trabalhavam suas terras ao longo de toda a Linha Verde. Hoje, o monstruoso muro de concreto cerca Qalqilya completamente, fazendo lembrar os campos de prisioneiros e os ghettos de outros tempos. Jayyous vive segregada de suas terras férteis pelo muro, na modalidade que se pode classificar de “barreira” – um sistema de cercas de ferro, arame farpado e patrulhas militares, usuárias exclusivas das estradas exclusivas para judeus e controladas por soldados israelenses.

4.000 pés de oliveiras e limoeiros foram arrancados, ali, para dar lugar ao muro. Todos os poços da vila e 75% da terra estão hoje confiscados por trás do muro, isolados no lado oeste – o lado ‘israelense’ – do muro. Uma pequena colônia exclusiva para judeus, chamada Zufim, está instalada no coração do que, antes, foi a riqueza dos habitantes de Jayyous. Israel tem planejada a construção de 1.500 novas moradias nessas terras confiscadas da vila. As novas unidades destruirão a única estrada pela qual os agricultores de Jayyous ainda podem entrar e sair de suas terras; antes, havia seis estradas. Israel já bloqueou cinco. Os novos prédios bloquearão a última.
Sharif Omar Khalid, mais conhecido na região como Abu Azzam, 65 anos, lutou durante toda a vida para preservar as terras de Jayyous. Em 1980, com outros agricultores representantes de vilas na Cisjordânia, fundou o Comitê de Defesa da Terra [ing. Land Defense Committee], uma das 18 organizações que hoje conduzem a campanha “Parem o Muro” [ing. Stop the Wall]. Dotado de inabalável otimismo, Khalid contabiliza como vitória uma decisão da Suprema Corte israelense, de abril de 2006, que obrigou os israelenses a deslocar o muro, afastando-o dos limites sul da vila. A decisão devolveu aos proprietários palestinos 11% da terra de Jayyous – 750 dunams [1 dunam = 1.000 m2] dos 8.600 que o muro confiscou.

O muro lá permanece, e também permanece um dos componentes essenciais do muro: a “passagem agrícola”. Há duas nas terras de Jayyous – uma para o norte; outra para o sul. Praticamente todos os agricultores da vila são obrigados a usar a passagem norte. Mantida aberta por dois períodos de 45 minutos (um pela manhã, outro no final da tarde), a passagem é, de fato, um bloqueio controlado por soldados israelenses que leva a uma estrada também controlada por soldados israelenses.

Mas para usar a passagem, transitar pela estrada controlada por soldados e ir dali às suas terras, os agricultores de Jayyous tem de exibir uma “autorização para ‘visitantes’”. Desde 2003, Israel decretou que os agricultores são meros ‘visitantes’ nas terras nas quais vivem e plantam há gerações. Obter essas autorizações é processo praticamente sem fim, que começa pela comprovação da propriedade da terra. Abu Azzam é um dos maiores proprietários de terra da vila; seu título de propriedade é antigo, de várias gerações, do tempo em que a Jordânia ocupou a Cisjordânia. Conhecido ativista contra o muro, várias vezes a autorização de passagem lhe foi negada; até que a Suprema Corte de Israel garantiu-lhe um passe permanente, no qual se registra que o portador não representa “ameaça à segurança de Israel”. Mas o passe ‘permanente’ tem criado problemas extra a Abu Azzam, na odisseia diária para entrar e sair de suas terras.

O Portão do Inferno

Vi uma “passagem agrícola”, pela primeira vez, em 2004, nos limites da vila de Mas’ha, no norte da Palestina. Terrível. Imensas garras de aço, pintadas de amarelo-ocre, que rangiam ao abrir, por especial obséquio das forças israelenses de ocupação; permaneciam abertas por cerca de 30 minutos, de madrugada e no início da noite. Entre uma abertura e outra, as garras permaneciam cerradas, e ninguém passava, nem para um lado nem para o outro; quem estivesse fora de casa, lá tinha de ficar por todo um dia ou uma noite; alguém que precisasse sair de casa para atender a alguma emergência, lá era detido, por um dia ou uma noite; e os campos ficavam sem irrigar (a irrigação é feita depois do por do sol), se o agricultor não chegasse a tempo de encontrar abertas aquelas garras rangentes.

Cada vez que o portão de Mas’ha era aberto, um agricultor solitário, Hani Amer – cujas terras ficaram cercadas pelo muro por três lados – conseguia visitar uma parte de seus campos. Dos dois lados do portão havia rolos de arame farpado e um fosso, ambos paralelos, contínuos, a perder de vista. Depois do fosso, mais arame farpado. E, depois, uma “estrada militar”, exclusiva para veículos militares que patrulhavam as fronteiras de um ‘mundo árabe’ do qual se supunha que viria o apocalipse sobre a “Grande Israel”.

Depois da estrada militar, mais arame farpado e outro fosso, antes que Hani Amer pudesse, afinal, chegar aos seus campos.

Mas, para saber o que realmente significa a ‘passagem agrícola’, é preciso passar pelo menos uma noite inteira, como eu passei, com um agricultor de Jayyous, em tempos de colheita. Acordamos – ele, sua esposa e eu – às 5h30 da manhã, tomamos um copo do forte café árabe, comemos pão com geleia de frutas do pequeno pomar que restava junto à casa, e saímos, montados no pequeno trator branco, enferrujado, sacolejando pela estrada de pedras. Depois, claro, paramos numa longa fila de outros agricultores, junto ao portão.

Vejam hoje, então, no nascer de mais um dia do 42º ano de ocupação israelense, em frente àquele monstro de aço amarelo, como cenário de filme de terror, que eles continuam a chegar, como sempre: um vem de trator; outro, em lombo de burro, carregado de instrumentos de colheita e sacos; vão chegando e a fila vai crescendo. Os rolos de arame farpado lá estão, como sempre; e há os fossos e há a estrada militar, e, assim, lá continuam os mesmos muros que aprisionam, há tanto tempo, o povo palestino. Vejam os soldados que andam lentamente e destravam lentamente os portões, acintosamente sem pressa; as garras se abrem e imediatamente são substituídas por soldados pesadamente armados que convertem a abertura em ponto inexpugnável de controle; e, mesmo isso, só por alguns momentos, a cada manhã e a cada fim de tarde.

Enquanto esperava, olhando em volta do trator de Abu Azzam, em outubro passado, lembrei de como era a colina do outro lado da estrada, há algumas décadas, quando eu trabalhava como correspondente na Cisjordânia. Toda a região era percorrida pela linha branca das muretas de pedra que demarcavam os terraços onde, há séculos, cresciam oliveiras, cujas folhas soavam como sininhos ao vento, e a folhagem verde-escura das vinhas e dos pomares. A expansão da ‘Grande Israel’ e seu estilo Califórnia-de-ser-e-viver, eram então, no máximo, itens do sonho sionista. Hoje, estão em toda a Cisjordânia, sonho nenhum, dura realidade; claro que não havia muro, nem ‘estrada militar’ nem, é claro, “passagem agrícola”.

Hoje, lá estão, os agricultores e seu burro, seu trator, seus apetrechos de trabalho, e aproximam-se das garras amarelas do monstro. E passam por elas. E um a um passam pelo arame farpado e pelo fosso e entram na estrada militar; então param o trator ou o burro, desmontam e apresentam documentos a um impassível soldado israelense. O soldado, cuja retaguarda é protegida por outros dois soldados, vira-se e grita para outro soldado invisível dentro de uma torre de controle, em hebraico, todos os números e nomes que haja no documento que tem em mãos. Pensem no que há de estoicismo e coragem naqueles agricultores que aceitam o ritual que Israel impõe, porque sabem que, por hora, não há alternativa. E não esqueçam de pensar que aqueles homens e mulheres passam por tudo aquilo exclusivamente para poder fazer uma coisa: colher suas olivas plantadas por eles em terra sua.

Antes disso, cada um tem de parar na estrada, cabeça baixa ou olhos arregalados, à espera de que seu destino seja decidido, por aquele dia; então, se a passagem é permitida, passa-se. E há mais arame farpado e outro fosso, até que – finalmente – chega-se a alguma coisa que bem poderia ser liberdade, mas não é. O agricultor pode, afinal, subir a colina com seu trator ou seu burro. E pode então começar a trabalhar na colheita das próprias olivas, nas próprias oliveiras, plantadas em sua própria terra; para chegar até ali, muitas vezes, o agricultor palestino já perdeu várias horas de trabalho. E esse tormento é diário.

Ao mesmo tempo, considere os colonos israelenses e os soldados israelenses, cuja única regra, na obsessão de tudo controlar e de não deixar passe livre a nenhum agricultor palestino, converte em pesadelo a milenar faina de colher olivas. Colonos da colônia israelense de Zufim já destruíam plantações de oliveiras em Jayyous em 2004. (Algumas árvores foram queimadas; outras foram arrancadas para ser vendidas em Israel; e o esgoto da colônia envenenou e matou outras inúmeras oliveiras naquela área.)

Uma semana depois de minha visita, segundo o jornal Haaretz, colonos judeus outra vez “entraram em confronto com palestinos que colhiam olivas na Cisjordânia”. Os colonos judeus atacaram os agricultores palestinos porque “os palestinos ali reunidos ameaçam a segurança da colônia e as covas de onde oliveiras foram arrancadas podem servir de esconderijo para terroristas.”

Em outro ponto da mesma região, as forças de segurança de Israel acompanharam grupos de colonos judeus que invadiram uma vila palestina para promover “pequena manifestação” contra a colheita das olivas. (O exército de Israel é hoje dominado em todos os escalões, dos mais altos aos mais baixos, por colonos expansionistas ultra-religiosos, para os quais “todo colono é soldado e todo soldado é colono”.) E também há notícias de que em outro ‘posto avançado’ (nome que Israel dá às primeiras instalações de novas colônias), denominado Adi Ad, colonos judeus fundamentalistas arrancaram “dúzias de oliveiras”. Agora, enquanto escrevo, continuam a chegar mensagens e e-mail que testemunham inúmeras outras ações semelhantes a essas.

Várias vezes, desde outubro, o exército de Israel impôs toques de recolher na vila de Jayyous – punição coletiva por demonstrações semanais contra o muro promovidas pelos moradores mais jovens da vila. Na maior parte dos casos, o toque de recolher foi imposto depois de os agricultores já estarem nos olivais e não chegou a impedir a colheita diária. Mas os demais habitantes de Jayyous foram punidos. Punição coletiva – represália contra todos, por ações de alguns – é considerada crime de guerra, nos termos da Convenção de Genebra de 1949.

Não parar!

“Israel é um Estado que enlouqueceu”, observou Raja Shehadeh, advogado e escritor palestino, quando, um dia depois de visitar Jayyous, narrei-lhe a cena a que assistira na ‘passagem agrícola’. Aquela específica barreira de aço e garras, aqueles específicos agricultores, aqueles específicos soldados israelenses convertidos em instrumentos vivos da banalização do mal – tudo isso faz pensar em alguma específica modalidade de loucura tão simplória quanto brutal, de que ainda se alimenta a “Grande Israel”. Documentarista holandesa que entrevistou alguns colonos judeus na Cisjordânia relata um eloquente fragmento de diálogo: “Qual é seu sonho?” – perguntou ela a um dos colonos judeus. “Meu sonho”, respondeu ele, “é que meus netos digam, algum dia, olhando essa terra: aqui, antigamente, viveram árabes.”

Na véspera da manhã em que todos saímos em direção ao muro e à passagem, Abu Azzam levou um visitante alemão para conhecer a prensa local na qual diariamente ele e outros agricultores descarregam a colheita diária de olivas. A visão das olivas de Jayyous andando por uma esteira em direção à prensa, para emergir numa torrente de garrafões de plástico cheios de azeite foi visão de alegria e sucesso. Crianças corriam e riam pelo pátio de piso escorregadio, comendo pedacinhos de pão molhados no azeite dourado, recém-prensado. Que tipo de loucura humana pensaria em infligir tormento eterno àquele tipo de comunidade tradicional de trabalho pacífico?

Depois, Abu Azzam contou-me sobre seus anos de ativista político, o casamento, os filhos. Preso pelos jordanianos por pertencer ao Partido Comunista, e depois por Israel por sua luta para defender os olivais de sua vila, diz que sua ideia fixa é prosseguir. “A verdade é que não temos escolha” – diz ele, com um sorriso e um dar de ombros.

Lembra de quando, em outubro de 2003, o muro ainda em construção, funcionários israelenses tentaram subornar os ativistas de Jayyous, oferecendo-lhes 650 autorizações que dariam passe livre a vários agricultores para chegar às suas terras. Mas o “Comitê de Defesa da Terra” decidiu “em decisão conjunta” não usar os passes. Aceitá-los seria reconhecer o muro e todo o sistema de sequestro e roubo de propriedade que o muro implica. Os soldados israelenses, então, mantiveram fechado o portão; isso, no auge da colheita de olivas, goiabas e mexericas. Abu Azzam e outros agricultores palestinos abriram brechas nas cercas e conseguiram chegar aos pomares, mas “sem um trator, sem uma mula, sem carrinhos, sem tudo. Só nossos braços e pernas e cabeças.”

Em seguida, mais prisões. Os agricultores decidiram acampar nos pomares e não voltar às casas na vila. “Minha mulher ficou furiosa” – lembra Abu Azzam. “Telefonou-me, dia 21 de outubro, perguntando “Estamos divorciados? Você abandonou a família?” e eu respondi “Estou resistindo”. E ela: “Resistindo? Enquanto as goiabas, os pepinos, os tomates apodrecem no pé?” Respondi: “Estamos na nossa terra. Só isso já é resistência.”

Desde 2003 Abu Azzam e outro agricultores de Jayyous continuam obcecadamente a resistir em suas terras. A determinação de continuar o cultivo dos 3.250 dunams que restam, dos 8.050 dunams de antes de Israel roubar-lhes a terra, de não afastar-se dali, é, só ela, ato de resistência. Na Palestina, chamam-se “samid” esses que tomaram a decisão de “apenas ficar”. A palavra significa “perseverante” e, também, ‘cabeça-dura’ e “obcecado” – e é tradução eloquente da antiga modalidade de resistência palestina não-violenta.

“Vocês têm tantos problemas”, disse a Abu Azzam. “Não pensam em partir?” Ele sorriu como se tivesse pena de mim. “Toda a nossa vida é um problema. Não quero viver como refugiado. E sou contra a emigração promovida à moda dos israelenses.”

Desde 2008, os mais jovens em Jayyous têm feito manifestações junto ao muro. Um dos líderes – Mohammed Othman – foi preso pelos israelenses no outono passado, quando desembarcou de volta de uma viagem à Noruega onde fez várias palestras. Continua preso, sem qualquer acusação formal e sem saber quando será solto.

Os líderes dos movimentos de jovens de Jayyous também enviaram cartas a altos funcionários dos governos da Noruega e de Dubai, pedindo que as empresas desses países deixem de investir nas empresas de propriedade do bilionário descendentes de emigrantes do Uzbequistão e nascido em Israel Lev Leviev. Com isso, Jayyous une-se a ampla campanha internacional contra empresas que negociem com as companhias de Leviev. É enorme conglomerado, muito diversificado, que inclui minas de diamantes em Angola, propriedades imobiliárias em Nova York e empresas construtoras que constroem colônias nos Territórios Palestinos Ocupados (inclusive em Zufim). Em março passado, Barak Ravid, repórter do jornal israelense Haaretz, noticiou que a embaixada britânica em Telavive “suspendera negociações para alugar um andar na Torre Kyria, empreendimento imobiliário africano-israelense, porque havia informações seguras de que a empresa construtora [de Leviev] estava envolvida na construção de colônias exclusivas para judeus.” Também a Oxfam rompeu inúmeros contratos, sempre pela mesma razão.

Dia 9/9/2009, um mês antes de minha chegada, a Suprema Corte Israelense outra vez aprovara pedido para alterar o traçado do muro, com a correspondente devolução de mais 2.448 dunams aos proprietários originais, de Jayyous. “Resultado de sua luta?” – perguntei a Azzam. “Resultado da luta de Jayyous,” ele respondeu. “Somos um grupo da resistência palestina.”

Para ver o muro, invisível na mídia ocidental, clique aqui.

Nenhum comentário: